Presidente da Federarroz detalha motivos que puxaram elevação do preço do produto

O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Alexandre Azevedo Velho, participou da programação da Rádio Venâncio Aires nesta terça-feira, 08, e detalhou os movimentos que puxam a elevação do preço do arroz. Nas redes sociais, diversos moradores da região manifestam preocupação com o preço do alimento presente na cesta básica.

Conforme Alexandre Velho, alta do dólar frente ao real e queda na produção são problemas apontados para o crescimento do valor. “Nós alertamos que essa mudança ocorreria. Neste ano, ela veio com força em função da conjunta internacional. […] o consumo de arroz aumento no Brasil neste ano em, pelo menos, 20%. Muitos países tradicionalmente grande produtores diminuíram as exportações em função da segurança alimentar na pandemia”, disse.

Alexandre Velho considera que o aumento do valor não deve impactar a alimentação. “A mudança de preço é na ordem de somente 20%. Mesmo a R$ 4, o arroz continua sendo um produto muito barato e acessível. Uma família de quatro pessoas que consome arroz todos dias não gasta mais do que R$ 25 por mês com arroz. Ele continua sendo um produto muito acessível”, destacou.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Venâncio Aires registra 18ª morte por coronavírus

Internada desde quatro de setembro no Hospital São Sebastião Mártir, a mulher de 59 anos tinha cardiopatia crônica e diabetes mellitus

Nota Fiscal Venâncio-airense realiza sorteio referente ao mês de setembro

Duas pessoas de fora, uma de Cachoeira do Sul e uma de Áurea, compraram no comércio local e também asseguram prêmios

Conheça os 208 candidatos à Câmara de Vereadores

Na tarde desta segunda-feira, 28, a reportagem organizou a lista de todos candidatos que registraram candidatura no Tribunal Superior Eleitoral

Governo anuncia criação do programa Renda Cidadã

Senador Márcio Bittar informou que o objetivo do programa é atender a milhões de brasileiros que, a partir de janeiro, com o término do pagamento do auxílio emergencial, "não terão do que sobreviver"
error: Recurso desabilitado