Caso de mormo é confirmado em Venâncio Aires e alerta para cuidados sanitários

A Inspetoria de Defesa Agropecuária de Venâncio Aires identificou um caso de mormo no município. A confirmação em um equino ocorreu no fim de fevereiro e foi anunciada na manhã desta segunda-feira, 29, pelo chefe do órgão no município, Antônio Werner, em entrevista à RVA AM 910.

Segundo o médico veterinário, após ser confirmado o caso, o processo segue em judicialização e reascende um alerta sobre a importância dos cuidados sanitários. “É um risco. É uma doença bacteriana grave. Ela passa dos equinos para o homem ou do homem para os equinos. E outras espécies também podem ser acometidas, como os felinos. Dos equídeos, os mais sucessíveis são os muares. Eles se infectam, mas não manifestam a doença. Esse é que o maior perigo”, explicou Werner.

O animal que recebe a confirmação para mormo precisa ser sacrificado. Além disso, a propriedade onde é identificada a zoonose é interditada, até que sejam feitos todos os procedimentos de sanidade. Por isso, Antônio Werner destaca a importância dos cuidados de prevenção e da realização dos exames para detecção da doença: “o mormo não tem cura, então, o que se tem que fazer são os exames, participar de eventos que sejam idôneos e em que todos os animais que participem sejam testados e negativos, e não compartilhar equipamentos, como cochos de água ou alimentação. Além disso, se souber de algum animal que tenha sintomatologia compatível, fazer a notificação à inspetoria para poder investigar o caso”.

Entre os sintomas mais comuns do mormo, estão a presença de nódulos nas mucosas nasais, nos pulmões, gânglios linfáticos, catarro e pneumonia. A forma aguda é caracterizada por febre de 42ºC, fraqueza e prostração; pústulas na mucosa nasal que se transformam em úlceras profundas com uma secreção, inicialmente amarelada e depois sanguinolenta.

O mormo não tem tratamento ou vacina, é uma zoonose e pode ser transmitido para o ser humano, por isso é necessário o sacrifício do animal. Já o exame para detecção da doença é obrigatório para o trânsito dos equinos. Somente no ano passado, cerca de 50 casos foram registrados no Rio Grande do Sul.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Recurso desabilitado