Laboratório da Fepam participa de projeto para detectar Covid-19 na rede de esgoto

A Divisão do Laboratório da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) integra um projeto que monitora, por meio de análises, a presença e a quantidade de Covid-19 em águas superficiais e residuárias (esgoto) do Estado. A equipe é responsável por colher amostras em locais monitorados e encaminhá-las ao Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs).

O biólogo do Laboratório, Manuel Rodrigues Loncan, explica que os técnicos da Fepam têm experiência com lugares de difícil acesso ou que ofereçam risco durante a operação. Desta forma, realizam a coleta manual em frascos de vidro.

“Nós também contribuímos com os pesquisadores para mapear os pontos onde o vírus poderia surgir ou se proliferar. O trabalho consiste em realizar a coleta, armazenar em local refrigerado, entregar ao Lacen (Laboratório Central do Estado) em uma caixa com gelo e indicar dados complementares, como nível de pH e turbidez da água”, explica Loncan.

O estudo iniciou-se em maio e já analisou 29 amostras coletadas em duas Estações de Tratamento de Esgoto (ETE), duas Estações de Bombeamento de Esgoto (EBE), um manancial e quatro hospitais em Porto Alegre e Região Metropolitana. Destas, 17% apresentaram resultados positivos.

As análises são feitas no laboratório de microbiologia da Universidade Feevale. Os dados foram divulgados em um boletim informativo que pode ser conferido aqui

Para o mês de julho, estão previstas amostragens no Arroio Dilúvio, no Rio dos Sinos e em arroios contribuintes ao Sinos, que sofrem alto impacto de esgoto doméstico.

O projeto

De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde, o estudo consiste em monitorar, por meio de análise molecular, a ocorrência e quantificação do RNA viral (SARS-CoV-2). O principal objetivo é realizar a vigilância epidemiológica em efluentes e mananciais, oferecendo suporte às autoridades de saúde durante a pandemia para tomada de decisão em relação às medidas de prevenção à Covid-19. O monitoramento deve ser estendido por dez meses.

As amostras analisadas na pesquisa são de ponto de captação de água bruta, corpo hídrico altamente impactado por esgoto doméstico, afluente e efluente de esgoto sanitário e efluente hospitalar. O projeto tem previsão de ser estendido para outros pontos do Estado.

O projeto conta com a participação de pesquisadores de Universidade Feevale, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Fepam, Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) e Secretaria do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams) de Porto Alegre e Secretaria de Saúde de Novo Hamburgo.

- Advertisement -
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Recurso desabilitado